CISTERNA DE PLACA: UMA TECNOLOGIA SOCIAL PARA A CONVIVÊNCIA COM O SEMIÁRIDO

Adriana Leal

Resumo


O panorama atual do Semiárido, diferente de décadas atrás, quando a indústria da seca mantinha o controledas políticas públicas, é visto hoje de forma diferente, com o advento das cisternas de placa, uma tecnologia social capaz de armazenar água de qualidade para ocidadão do Semiárido. Na elaboração do presente artigo, foram utilizadas pesquisas bibliográficas, além de entrevistas atuais, uma vez que no momento é vivida a pior estiagem dos últimos 50 anos. A pesquisa mostra que a utilização das cisternas de placa promove o desenvolvimento sustentável através da tecnologia social, que inclui o beneficiado como principal agente do processo. O resultado pretende servir de base aos estudiosos do Semiárido e evidenciar os benefícios sociais e a sustentabilidade do uso das cisternas de placa, onde conclui-se que tal tecnologia social cumpre de forma satisfatória o papel de armazenar e prover água ao homem e à mulher do campo, aumentando a autoestima dos beneficiários e promovendo geração de renda nas comunidades onde são inseridas.


Texto completo:

PDF

Referências


ARTICULAÇÃO NO SEMIÁRIDO – ASA. Caminhos para a Convivência com o Semiárido. 3ª edição. Recife, outubro 2008a.

____________________Tecnologias Sociais para Convivência com o Semiárido.CisternaCalçadão. 4ª ed. Recife: Z.dizain Comunicação, 2012b.

____________________O Semiárido Brasileiro. Disponível em:

http://www.asabrasil.org.br>. Acesso em: 16 de ago. de 2007c.

____________________Programa Uma Terra e Duas Águas [S.I] [Cartilha], 2009d.

BARBOSA, I. M. B. H. Gestão de Recursos Hídricos/ Ioná Maria Beltrão Hameh Barbosa. –

Recife: Diretoria de Educação a Distância/IFPE; [Recife]: DEAD: UAB, 2009.

BRASIL. Grupo de Trabalho para o Desenvolvimento do Nordeste. Uma política de desenvolvimento econômico para o Nordeste. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, 1959a.

_____________________Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Plano Nacional de Pós-Graduação – PNPG 2011-2020/ Coordenação de Pessoal de Nível Superior. – Brasília, DF: CAPES, 2010b.

CÁRITAS BRASILEIRA. Cadernos Cáritas: Semiárido Brasileiro. [S.I.] [Cartilha] 2002.

DIAS, G. F. Educação Ambiental, princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 1992.

DUQUE, J. G. Alguns aspectos da ecologia do Nordeste e as lavouras xerófilas. Mossoró/RN: Fundação Vingt-Un Rosado, (Coleção Mossoroense, Série B, n 1352), 1996.

FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL (FBB). Banco de tecnologias sociais. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2006a.

_____________________Tecnologia Social Cisternas de Placas do Semiárido. [S.I] [Folheto], 2012b.

ITS (Instituto de Tecnologia Social). Reflexões sobre a construção do conceito de tecnologia social. In: DE PAULO, A. et al. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004.

MALVEZZI, R. Semiárido - uma visão holística. – Brasília: Confea, 140p. – (Pensar Brasil). 2007.

PEREIRA, N. ASA. Pernambuco aposta na construção de uma política estadual de convivência com o semiárido: Articulação investe na elaboração de propostas e no monitoramento das ações de enfrentamento à estiagem. Começo de Conversa, Recife, ano III, n. 4, p. 04-05, Nov. 2012.

PERNAMBUCO. Secretaria de Ciências, Tecnologia e Meio Ambiente. Para compreender a desertificação: uma abordagem didática e integrada. 3ª Edição. Recife: Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente; Fundação Joaquim Nabuco; Instituto Desert, 2011.

RODRIGUES, I e BARBIERI, J. C. A emergência da tecnologia social: revisitando o movimento da tecnologia apropriada como estratégia de desenvolvimento sustentável. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 42 (6): 1069-94, Nov/Dez, 2008.

SILVA, A. S.; BRITO, L. T. L. e ROCHA, H. M. Captação e conservação de água de chuva no semiárido brasileiro: cisternas rurais II; água para consumo humano. Petrolina, PE: Embrapa Semiárido, (Embrapa Semiárido. Circular técnica, 16), 1988.

SILVA, R. M. A. Entre o combate à seca e a convivência com o semiárido: transições paradigmáticas e sustentabilidade do desenvolvimento. /Roberto Marinho Alves da Silva. Brasília: [s.n.], 298 p., 2006.

SUASSUNA, J. Convivência com o Semiárido. Recife, 27 dezembro 2007. Disponível em: . Acesso em 29 de novembro de 2007.

ENCONASA. Carta Política do VIII Encontro Nacional da Articulação no Semiárido Brasileiro, Januária, 2012.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Revista Caravana

IFPE - Instituto Federal de Pernambuco