A QUESTÃO DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR

Adiliane Valéria Batista Francelino da Silva

Resumo


Este artigo tem por objetivo apresentar os resultados do projeto de extensão: Debatendo gênero nas escolas municipais da Várzea, com enfoque para o plano de trabalho: Mapeando as demandas relacionadas à questão de gênero no cotidiano escolar. O projeto em questão teve por objetivo contribuir com o debate de gênero na comunidade escolar do ensino fundamental das escolas municipais circunvizinhas ao IFPE - campus Recife, atentando para a discussão de categorias de análise como a divisão sexual do trabalho. O projeto adotou a metodologia de pesquisa qualitativa, utilizando-se de oficinas temáticas e observação participante. Foram realizados levantamentos bibliográficos sobre o tema e realizou-se uma parceria com a Secretaria Estadual de Mulheres, através da Coordenadoria de Formação em Gênero para realização das oficinas. Além disso, foi aplicado um questionário junto aos docentes participantes das oficinas. A partir deste instrumento, foram analisados dados referentes ao perfil das docentes e a esfera da reprodução; à formação profissional e os conteúdos relacionados à questão de gênero; e ao exercício profissional e a relação com as demandas de gênero que se apresentam no cotidiano escolar. A partir desta análise, ressaltamos a importância da formação continuada de temáticas transversais no âmbito da educação, para sua repercussão na docência, no sentido de contribuir para uma construção de uma cultura de igualdade de gênero .

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Clara. Marxismo, feminismo e o enfoque de gênero. In: Marxismo e Feminismo.

Dossiê do Feminismo e Marxismo, 2000.

BIGATON, Roseli. Perfil de professores da educação básica e análise multidimensional. UNIVALI,

Itajaí, 2005.

BRASIL, MEC, INEP. O Perfil dos professores brasileiros: o que fazem, o que pensam, o que

almejam — / Pesquisa Nacional UNESCO, – São Paulo: Moderna, 2004.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais : terceiro e

quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria

de Educação Fundamental. – Brasília : MEC/SEF, 1998.

COLLING, Ana Maria. Gênero e Cultura: questões contemporâneas. Porto Alegre: EDIPUCRS,

COMBES, Daniele; HAICAULT, Monique. Produção e reprodução. Relações sociais de sexos

e de classes. In: KARTCHEVSKY, Andreé. O sexo do trabalho. Tradução de Suely Tomazini

Cassal. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

ERUDINA, Luiza. Mulher e política no parlamento. Cadernos de Crítica Feminista, a. 2, n. 1, dez.

GOODSON, Ivor F. Currículo; teoria e história. Petrópolis: Vozes, 1995.

KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, Helena

Hirat et al. (Orgs). Dicionário Crítico do Feminismo. Tradução de Vivian Aranha Saboia. São

Paulo: Editora UNESP, 2009.

LUCENA, Maria de Fátima Gomes de. Saúde, Gênero e Violência: um estudo comparativo Brasil/

França sobre a saúde da mulher negra. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2010.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde.

São Paulo: Hucitec – Abrasco, 1998.

_____. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2004.

NOGUEIRA Claudia Mazzei. O trabalho duplicado: a divisão sexual do trabalho e na reprodução

- um estudo das trabalhadoras do telemarketing. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

PIMENTA, Selma Garrido, e GHEDIN, Evandro (orgs.) Professor reflexivo no Brasil: gênese e

crítica de um conceito. São Paulo, Cortez Editora, 2002.

SAFFIOTI, Heleieth. Rearticulando gênero e classe social. In: COSTA, Albertina; BRUSCHINI,

Cristina (Orgs.). Uma questão de gênero. São Paulo: Editora Rosa dos Tempos, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Caravana

IFPE - Instituto Federal de Pernambuco