Diversidade Sexual na Educação no IFPE: uma experiência de visibilidade

Daniela Torres Barros

Resumo


Este artigo busca relatar as atividades e ganhos desenvolvidos através do projeto de extensão: “DIVERSIDADE SEXUAL NA ESCOLA: ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA POPULAÇÃO LGBTT NO IFPE RECIFE E NA REDE ESTADUAL DE PERNAMBUCO”. Devido ao contexto atual de negação de direitos de minorias e de combate a diversidade nos mais diversos âmbitos da sociedade brasileira, o projeto teve como objetivos: realizar estudos dirigidos para formação dos bolsistas, realizar formação continuada em gênero e diversidade junto aos docentes e técnico administrativos da Educação Básica de Nível Médio do IFPE, fornecer informações básicas de legislação, realizar parcerias junto ao IFPE, instituições públicas e movimentos sociais, elaborar cartilhas educativas. Como principal resultado, tivemos a organização de um grande evento, o I Simpósio de Gênero e Diversidade Sexual na Educação.


Texto completo:

PDF

Referências


ALTMANN, Helena. Orientação sexual em uma escola: recortes de corpos e de gênero. Caderno Pagu, n. 21, 2003.

ANDRADE, Luma. Travestis na escola: assujeitamento e resistência à ordem normativa. Tese (doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

BARROS, Daniela. A experiência travesti na escola: entre nós e estratégias de resistência. Dissertação de Mestrado, UFPE, 2014.

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz diferença. Estudos Feministas, Florianópolis, v.19, n. 2, maio/ago. 2011.

BRASIL. Lei 13.005, de 25 de junho 2014.Aprova o Plano Nacional de Educação PNE 2014 e dá outras providências. Presidência da República, Casa Civil.Brasília: DF, 2014.

_____. Lei de Diretrizes e Bases. Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. 5. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação Edições Câmara, 2010.

_____. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros curriculares nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

____. Conselho Nacional de Combate à Discriminação/Ministério da Saúde. Brasil Sem Homofobia: Programa de combate à violência e à discriminação contra GLTB e promoção da cidadania homossexual. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

_____. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Casa civil, 1988.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CÉSAR, Maria Rita. Gênero, sexualidade e educação: notas para uma "Epistemologia" Educ. rev. Curitiba, n. 35, 2009.

CRUZ, Elizabete Franco. Banheiros, Travestis, Relações de Gênero e Diferenças no Cotidiano da Escola. Psicologia Política, v. 11, n. 21, p. 73-90, jan. /jun. 2011.

FOUCAULT, Michael, História da sexualidade I: A vontade do Saber, tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro Edições Graal, 2007.

FURLANI, Jirmena. Educação sexual na sala de aula: relações de gênero, orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1983.

GRUPO GAY DA BAHIA. Relatório 2012 Assassinato Homossexuais. Bahia, Salvador, 2013.

JUNQUEIRA, Rogério. “Aqui não há gays nem lésbicas! ”: Estratégias de negação diante da homofobia nas escolas. In: RESENDE, Viviane; PEREIRA, Fábio (orgs.). Práticas socioculturais e discurso: debates transdisciplinares. Portugal/Corvilha: Livros Labcom, 2010.

LOURO, Guacira. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 12. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec – Abrasco, 1998

._____. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2004.

MOREIRA, Vital; GOMES, Carla Marcelino (Coord.). Compreender os Direitos Humanos: manual de educação para os direitos humanos. 2013. Versão original editada por WOLFGANG BENEDEK European Training and Research Centre for Human Rights and Democracy (ETC) (Centro Europeu de Formação e Investigação em Direitos Humanos e Democracia) Graz, Áustria.

PEIRUCCHI, Juliana; BRANDÃO, Brune; VIERA, Isabela. Aspectos psicossociais da homofobia intrafamiliar e saúde de jovens lésbicas e gays Estud. psicol. v.19, n.1, jan./jar., 2014.

PERES, William. Cenas de exclusões anunciadas: travestis, transexuais e transgêneros na escola do Brasil. In: JUNQUEIRA, Diniz (org.). Diversidade sexual na educação: problematizações da homofobia na escola. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2009.

RECIFE. Lei 16.7080, de 28 de junho de 2002. Estabelece a discriminação por orientação sexual como crime. Recife: Gabinete do prefeito, 2002.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Nova York, Columbia University Press. 1989.

SOUZA, Elaine; SILVA, Joison; SANTOS, Claudine. Diversidade sexual e homofobia na escola: (des)conhecimento e vivências de docentes Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Revista Educação em Questão, v. 54, n. 41, p. 111-138, maio/ago. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Caravana

IFPE - Instituto Federal de Pernambuco