“SEMPRE QUE ELE BEBE...” AS CORRELAÇÕES ENTRE O USO DE DROGAS E A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Amanda Cibele da Silva Oliveira

Resumo


O tema do artigo faz alusão a uma frase recorrente nos relatos analisados para a construção da pesquisa. O presente estudo foi desenvolvido com o objetivo de melhor compreender a presença do uso de substâncias psicoativas por parte do autor da agressão nos casos de violência doméstica e suas implicações. Para tanto, foram utilizados dados referentes ao levantamento estatístico do ano de 2009 dos casos atendidos no Serviço Especializado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência do município de São Lourenço da Mata-PE. Os dados quantitativos foram colhidos via questionário fechado, também foram selecionados e analisados trechos dos relatos dos casos. Conforme a pesquisa, foi constatada a presença deste uso em cerca de 48% dos casos. Desses casos a droga predominantemente consumida foi o álcool. A partir da análise dos discursos das usuárias do serviço, pode-se perceber que há uma responsabilização da substância enquanto causa em si da violência. Concluiu-se que a droga funciona como agente potencializador/ desencadeador dos ataques de violência reiterando suas raízes sócio históricas/ culturais, apontando a droga como mais um elemento de um cenário que é estrutural e multicausal.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, T. M.; ESPINHEIRA, C. G. D. A presença das bebidas alcoólicas e outras substancias psicoativas na cultura brasileira. O uso de substâncias psicoativas no Brasil: Epidemiologia, Legislação, Políticas Públicas e Fatores Culturais. Brasília: SUPERA, Secretaria Nacional Antidrogas, 2006.

ARRIBAS, C. G. Entrevista. 2012. Disponível em < http://ne10.uol.com.br/canal/cotidiano/grande-recife/noticia/2012/02/27/droga-tem-poder-de-alterar-personalidade-mas-nao-carater-afirma-especialista-329056.php>. Acesso em: 14 ago. 2014.

BONIFAZ, R. G. V.; NAKANO, A. M. S. La violência intrafamiliar, el uso de drogas em La pareja, desde la perspectiva de la mujer maltratada. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto-SP, v. 12, n. esp., p. 433-438, 2004.

BRASIL. Lei no 11.340, de 7 de agosto de 2006. Lei Maria da Penha, Brasília, DF, ago. 2006.

BRASIL, Ministério da Saúde. Álcool e Redução de Danos. Uma abordagem inovadora para países em transição. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

CEBRID. Centro Brasileiro de Informação sobre Drogas Psicotrópicas. II Levantamento Domiciliar sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do Brasil: 2005. São Paulo: CEBRID, UNIFESP, 2006.

CEDAW, Convention on the Elimination of All Forms of Discrimination against Womem- Convenção sobre a Eliminação de todas as formas de Violência contra a Mulher, 1984. Documento disponível em Acesso em: 14 ago. 2014.

CHEIBUB, W. B. Práticas Disciplinares e Uso de Drogas: A gestão dos ilegalismos na cena contemporânea. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 26, n. 4, p. 548-557, dez. 2006.

FACCIO, G. Alcoolismo: Um caso de saúde pública, uma revisão bibliográfica sobre a dependência do álcool no Brasil. 2008. 27 f. Trabalho de conclusão de curso (Especialização)-Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS, 2008.

IAMAMOTO, M. V.; CARVALHO, R. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 5. ed. São Paulo: Cortez; [Lima, Peru]: CELATS, 1986.

KERR-CORRÊA, F. et. al. Diferença nos padrões de consumo de álcool entre homens e mulheres em duas comunidades brasileiras distintas. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 30, n. 3, p.235-242, set. 2008.

LOPES, F. H. Masculinidade(s): Reflexões em torno de seus aspectos históricos, sociais e culturais. Contemporâneos: Revista de Artes e Humanidades, n. 8, maio/out. 2011.

LOPES, M. As conseqüências da dependência química entre estudantes de ensino médio, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2014.

MEDRADO, B.; GRANJA, E. Homens, Violência de Gênero e Atenção Integral em Saúde. Revista Psicologia e Sociedade, Belo Horizonte, v. 21, n. 1, p. 25-34, 2009.

MODESTO, L. S. ONU: fundamentalismo puritano no mercado. In: RIBEIRO, M. M.; SEIBEL, D. S. Drogas: a hegemonia do cinismo. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina, 1997.

MOTA, J. C. Violência contra a Mulher praticada pelo parceiro íntimo: estudo em um serviço de atenção especializado. 2004. 92 f. Dissertação (Mestrado em Epidemiologia na área de Saúde Pública)-Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Ministério da Saúde, Rio de Janeiro, 2004.

NARVAZ, M. G.; KOLLER, S. H. Famílias e Patriarcado: da prescrição normativa a subversão criativa. Psicologia e Sociedade, Belo Horizonte, v. 18, n. 1, p. 49-55, jan./abr. 2006.

ONU, Organização das Nações Unidas. UNODOC, United Nations Office on Drugs and Crime- Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes. Relatório Mundial sobre Drogas 2013. 2013. Documento disponível em: Acesso em: 12 ago. 2014.

PAULO NETTO, J. P.; BRAZ, M. Economia Política: Uma introdução critica. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

PERNAMBUCO. Ministério Público. Lei Maria da Penha: o Ministério Público e o combate a violência doméstica e familiar contra a Mulher. Coord. CAOP cidadania. 2 reimp. Recife: Procuradoria Geral de Justiça, 2009.

PINAFI, Tânia. Violência contra a mulher: políticas públicas e medidas protetivas na contemporaneidade. Revista Histórica, São Paulo, n. 21, v. 3, maio 2007.

RABELLO, P. M.; CALDAS JÚNIOR., A. F. Violência contra a Mulher, Coesão familiar e Drogas. Revista de Saúde Pública, João Pessoa-PB, v. 41, n. 6, p. 970-978, 2007.

SAFFIOTI, H. Ontogênese e filogênese do gênero: ordem patriarcal de gênero e a violência masculina contra mulheres, Série Estudos e Ensaios/ Ciências Sociais/ FLACSO-Brasil, p. 1-44, jun. 2009.

SANTIAGO, R. A.; COELHO, M. T. A. D. A violência contra a Mulher: antecedentes históricos. Seminário Estudantil de Produção Acadêmica, UNIFACS, Salvador, v. 11, n. 1, 2007.

SCHEFFER, M.; PASA, G. G.; ALMEIDA, R. M. M. Dependência de Álcool, Crack, Cocaína e Transtornos Psiquiátricos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 26, n. 3, p. 533-541, jul./set. 2010.

SCHENKER, M.; MINAYO, M. C. S. A implicação da família no uso abusivo de drogas: uma revisão crítica. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 299-306, 2003.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. SOS Corpo: Recife, 1989.

SENA, L. L. O crack como fenômeno midiático: demônios e silêncios. IV Congresso de opinião pública da Wapor, Departamento de Comunicação Social, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 2010.

ZILBERMAN, M. L.; BLUME, S. B. Violência doméstica, abuso de álcool e substâncias psicoativas. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 27, p.S51-S55, 2005. Suplemento 2.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Caravana

IFPE - Instituto Federal de Pernambuco