SISTEMAS MEMORIAIS E A REDE MEMORIAL PERNAMBUCO: UM EXPERIMENTO A PARTIR DO LABORATÓRIO LIBER DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Májory Karoline miranda

Resumo


Apresentar a Rede Memorial Pernambuco (RMPe) como uma rede colaborativa de boas práticas de curadoria digital no modelo pós-custodial de informação, assim como o Laboratório Liber, de Tecnologias do Conhecimento, do departamento de Ciência da Informação, como ambiente de experimentações dos conceitos e práticas, supracitados. Destarte, ainda discorre sobre a literatura base para construção do  conceito de Sistemas Memoriais, Teoria Sistêmica; Pensamento Complexo e a Cultura Participativa, assim como revisa os ideais de preservação da memória e sua utilidade social; Curadoria Digital, e a noção de interdisciplinaridade no modelo póscustodial de informação. O método de pesquisa é o Quadripolar, representado pelas abordagens de cunho epistemológico, teórico, técnico e morfológico, tanto para conhecer e construir a natureza do objeto, quanto para coleta e análise dos dados, qualificando a pesquisa como exploratória e dedutiva. Todos esses postulados, têm ajudado a delinear o conceito de Sistemas Memoriais, e o seu imperativo pela assunção da responsabilidade de os sujeitos envolvidos nos processos de gestão de informação  com a produção, preservação e disseminação de conhecimento. Como resultados, identifica que a Rede Memorial, com o apoio do laboratório Liber, se apresenta como iniciativa que estimula e legitima o trabalho coletivo, o multiprotagonismo e o reconhecimento de que o compartilhamento de boas práticas atua como um celeiro para inovações e desenvolvimento das sociedades. Do mesmo modo, registra que as práticas mais eficazes de preservação se respaldam em ambientes que propiciam diligentes atitudes que se antecipam às perdas por reconhecerem a importância do tesouro confiado em suas mãos.


Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, E. S. de. A gerência da criatividade. São Paulo: Makron, 1996.

BARDON, F. Magia prática – o caminho do adepto. São Paulo: Ground, 1997.

BAUDRILLARD, J. Para uma crítica de economia política do signo. Lisboa: Edições 70, 1995.

BAUMAN, Z. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BERTALANFFY, L. V. Teoria geral dos sistemas. 3.ed. Petrópolis, Vozes, 1977.

BIBLIA, Antigo Testamento. Gênesis. In: BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada: contendo o antigo e o novo testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida. Rio de Janeiro: Sociedade Bíblica do Brasil, 1966. p.678-686.

BORBA, V. da R. Modelo orientador para construção de estratégias de preservação digital: estudo de caso do Banco de Teses e Dissertações da UFPE. João Pessoa, 2009. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal da Paraíba, 2009.

BORGES, J.L. Ficções. 3. ed. São Paulo: Globo, 2001.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Caravana

IFPE - Instituto Federal de Pernambuco