EDUCAÇÃO, AUTONOMIA E ACESSIBILIDADE PARA ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA VISUAL: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA COMUNIDADE VIRTUAL DO IFPE

Gabriela Lins Falcão

Resumo


Considerando a existência, no Brasil, de mais de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual, sendo 582 mil cegas, e baseado na perspectiva de que a Educação a Distância desempenha papel fundamental na garantia do direito à educação desses sujeitos, haja vista princípios norteadores e ampliação da oferta, o presente projeto de extensão busca, à luz dos princípios da acessibilidade virtual, dos dispositivos legais disponíveis sobre o tema e de autores da área de educação inclusiva e de uso de tecnologias, compreender os contextos de ensino-aprendizagem de cegos na EaD. Para isso, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, com mais de 2100
estudantes matriculados em 19 polos, incluindo portadores de cegueira absoluta, serviu de ponto de partida para análise de entraves e possibilidades existentes no ensino de deficientes visuais a distância. Por meio de entrevistas e questionários, aplicados também em diferentes Instituições de Ensino Superior do país, os dados coletados resultaram, além do diagnóstico do tema no
IFPE, em um mapeamento das dificuldades comuns às IES, sugerindo caminhos para garantia da acessibilidade dentro e fora dos Ambientes Virtuais de Aprendizagem.


Texto completo:

PDF

Referências


ACESSO BRASIL (2012). Acessibilidade Brasil. Disponível em: http://www.acessobrasil.org.br/,

acesso em 14 de dezembro de 2012.

ANDERSON, T. (2004). Toward a Theory of Online Learning. In: Anderson, T.; Elloumi, F.

(Ed.). Theory and Practice of Online Learning. Athabasca: Athabasca University. Cap. 2, p. 1-421.

Disponível em: . Acesso em: 02 de dezembro de 2012.

Anuário Brasileiro Estatístico de Educação Aberta e a Distância. (2005) 1a. ed.. São Paulo: Instituto

Monitor, v. 2. Disponível em: . Acesso em: 12 de

dezembro de 2012.

BELLONI, M. L. Educação a distância. 3.ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

BERSCH, R. e TONOLLI, J. (2007) Introdução ao conceito de Tecnologia Assistiva. Disponivel em:

http://www.cedionline.com.br, acesso em 12 de dezembro de 2012.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB (Lei n.º 9394/96). 20 de dezembro

de 1996.

______. Ministério da Educação. Portaria n.º 1793/94. Brasília, 1994.

______. Conselho Nacional de Educação. Proposta de Diretrizes para a formação inicial de

professores da educação básica, em cursos de nível superior. Brasília, maio 2000.

______. Plano Nacional de Educação (Lei n.º 10.172/01). 2000.

______. Ministério da Educação. Decreto 3956/01. Brasília, out. 2001.

______. Ministério da Educação. Decreto n.6253/2007.

______. Ministério da Educação. Decreto n.6571/2008.

______. Ministério da Educação. Decreto n.7611/2011.

______. Ministério da Educação. Diretoria de Políticas de Educação Especial da Secretaria de

Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão; Secretaria de Educação Profissional e

Tecnológica. Nota Técnica Nº 106/2013/MEC/SECADI/DPEE, 2013.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Educação infantil - saberes e

práticas para educação inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2003.

BUENO. Educação inclusiva: princípios e desafios.Revista Mediação, n. 1, p. 22-28, 1999.

CONFORTO, D. e SANTAROSA, L. (2002). Acessibilidade à Web: Internet para Todos. Revista de

Informática na Educação: Teoria, Prática – PGIE, nº 2, pp .87-102. nov.

CORREIA, L. de M. Alunos com necessidades educativas especiais nas classes regulares. Portugal:

Editora Porto, 1999.

DASILVA (2012). O primeiro avaliador de Acessibilidade em Português para websites. Disponível

em: http://www.dasilva.org.br/, acesso em 19 de dezembro de 2012.

DIAS, C. (2003). Usabilidade na WEB. Criando portais mais acessíveis. Rio de Janeiro, Alta Books.

FELICIANO, F. D. O. Investigação de um modelo de avaliação da acessibilidade de portais na Web.

Dissertação (Mestrado Profissional) - Centro de Informática - UFPE: Recife, 2010.

GLAT, R. Capacitação de professores: pré-requisito para uma escola aberta à diversidade. In: Revista

Souza Marques, v. I, p. 16-23, 2000.

______. A integração social dos portadores de deficiência: uma reflexão. Sette Letras (Coleção

Questões atuais em Educação Especial), Rio de Janeiro, v. I, 2.ed, 1998.

GLAT, R.; FERREIRA, J. R.; OLIVEIRA, E. da S. G.; SENNA, L. A. G. Panorama Nacional da

educação Inclusiva no Brasil. Relatório de consultoria técnica, Banco Mundial, 2003. Disponível.

em: www.cnotinfor.pt/projectos/worldbank/inclusiva >. Acesso em: nov./2003.

GLAT, R.; NOGUEIRA, M. L. de L. Políticas educacionais e a formação de professores para a

educação inclusiva no Brasil. Revista Integração, Brasília, v. 24, ano 14, p. 22-27, 2002.

GUIA (2007). Grupo Português pelas iniciativas de Acessibilidade. Disponível em: http://www.

acessibilidade.net, acesso em 13 de dezembro de 2012.

MAGALHÃES, E. F. C. B. Viver a igualdade na diferença: a formação de educadores visando

à inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais no ensino regular. Dissertação

(Mestrado) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, 1999.

NAUJORKS, M. I.; NUNES SOBRINHO, F. de P. (Orgs.). Pesquisa em Educação Especial:o desafio

da qualificação.Bauru: Edusc, 2001.

NEVES, C. M. C. Referenciais de qualidade para cursos a distância. Brasília: Ministério da Educação;

Secretaria de Educação a Distância, 2003.

PRETI, O . (2005) Educação a distância: uma nova prática? Um novo discurso? In: PRETI, O (Org.).

Educação a distância: sobre discursos e práticas. Brasília: Liber Livro Editora, 2005.

SONZA, Andréa (org.). Acessibilidade e tecnologia assistiva: pensando a inclusão sociodigital de

PNEs.Brasília: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Caravana

IFPE - Instituto Federal de Pernambuco