A EXTENSÃO NO IFPE A PARTIR DE UMA ABORDAGEM EMPIRISTA: DESENVOLVIMENTO, SUSTENTABILIDADE, CULTURA E SUAS IMPLICAÇÕES NA PESQUISA E NO ENSINO.

Claudia Santos Silva

Resumo


A Extensão desenvolvida no Instituto Federal constrói-se com argumentos teóricos e empíricos na perspectiva da interlocução com o Ensino e a Pesquisa, conforme prevê o Plano de Extensão (2009) e as estratégias metodológicas dos projetos de intervenção desenvolvidos nos contextos rurais e urbanos na perspectiva de materializar parte do Projeto Político Pedagógico e atender a
missão institucional, além de buscar contribuir com o desenvolvimento sustentável de Pernambuco, minimizando os aspectos de exclusão social.
Trata-se também de incentivar novas relações que se estabelecem e se imbricam, através da Extensão, em que o conhecimento, produzido no interior dos seus 9 campi, chega à sociedade.
A teoria nasce na prática e a ela retorna com a difusão da produção científica sendo realizada empiricamente nas comunidades, nos assentamentos, promovendo e empoderando, nessa práxis, processos de cidadania, cultura, sustentabilidade e desenvolvimento. As políticas, traçadas no âmbito do IFPE, têm uma dimensão que articula e consolida o envolvimento das áreas acadêmicas, cujos resultados se refletem na afirmação da identidade do IFPE como IES e espaço privilegiado de inclusão da Extensão em seus componentes curriculares.


Texto completo:

PDF

Referências


CALDERÓN, A. I.; SANTOS, S. R. M.; SARMENTO, D. F. (Orgs). Extensão Universitária: uma questão em aberto. São Paulo: Ed. Xamã, 2011.

CALLOU, A. B. F. Extensão rural – extensão pesqueira: estratégias de ensino e pesquisa / Angelo Brás Fernandes Callou, Maria Salett Tauk Santos. - Recife: FASA, 2013.

CANCLINI, N. G. As culturas populares no capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1983.

__________. Culturas Híbridas - estratégias para entrar e sair da modernidade.Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: EDUSP, p.283-350: Culturas híbridas, poderes

oblíquos, 1997.

FRANCO, A. Por que precisamos de desenvolvimento local integrado e sustentável? 2.ed. Brasília- DF: Instituto de Política ,1998.

FREIRE, P. Educação na Cidade. São Paulo: Cortez, 2002.

JARA, Extensão Universitária: um laboratório social. São Paulo: Edusp, 2002.

LOUREIRO, C.; CALLOU, A. B. F. “Extensão rural e desenvolvimento com sustentabilidade cultural: o Ponto de Cultura no Sertão Pernambucano” (Brasil). http://dx.doi.org/10.1590/S1518- 70122007000200008 . Acessado em 25/05/2013.

MARTÍN-BARBERO, J. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2000.

MARTINELL, A. Políticas Culturais para o desenvolvimento: uma base de dados para a cultura. UNESCO: Brasil 20003.

MENDONÇA, N. A. Pedagogica da Humanização: A pedagogia humanista de Paulo Freire. (Coleção Pedagogia e Educação). São Paulo:Ed. Paulus, 2008.

MOITA, F. M.; ANDRADE, F. C. B. Ensino-Pesquisa-Extensão: um exercício de indissociabilidade na Pós-Grduação. Publicado SciELO. Acessado em 20.07.2013.

NEVES, L. M. W. São Paulo: Ed. Cortez, (Coleção Questões de Nossa Época): vol.36, 2008.

PERUZZO, C. Comunicação nos movimentos populares. São Paulo: Summus Editorial, 2004.

SACHS, I. Ecodesenvolvimento: ecologia e desenvolvimento 1972 -1992. In: MAIMON, D. (org.). Ecologia e desenvolvimento. Rio de Janeiro: APED, 1992.

SANTOS, C. S. Políticas de Comunicação Rural nos anos 90. Recife: Ed. Imprensa Universitária, 1997.

SANTOS, C. S.; MELO, S. G. P. Identidade e reflexão sobre gênero: projeto Mulheres Mil e o resgate da cidadania de mulheres das classes populares na periferia do Recife. Revista Cientec, Ed. 3, 2011.

TAUK, S. M. S. Comunicação rural velho objeto, nova abordagem, mediação, reconversão cultural, desenvolvimento local. In: LOPES, M. L. V.; FRAU-MEIGS; TAUK, S. M. S. Comunicação e informação: identidades sem fronteiras. São Paulo: Intercom; Recife: Bagaço, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Revista Caravana

IFPE - Instituto Federal de Pernambuco