Dialogando sobre sustentabilidade: diagnóstico e ação nas áreas de meio ambiente e saúde na comunidade quilombola de são Lourenço, Goiana-PE

João Paulo Gomes de Oliveira

Resumo


Historicamente percebe-se um processo de intensificação da degradação ambiental no mundo, desde a escala global a local. O esgotamento dos recursos naturais, a poluição e contaminação dos mananciais e do solo, as modificações na fauna e flora são alguns dos problemas que agravam a crise ambiental. O presente trabalho teve como objetivo diagnosticar os principais problemas socioambientais presentes na comunidade Quilombola de São Lourenço e como tais impactos interferem na saúde da população local. Para isso, realizou-se pesquisa-ação através de revisão bibliográfica, diálogos com moradores, registros fotográficos e oficinas de educação e saúde ambiental. Após diagnostico, conclui-se que, a comunidade sofre diversos impactos socioambientais, sejam eles por falta de serviços básicos, pelas próprias práticas dos moradores ou por fatores externos, que interferem direta e indiretamente na saúde da população. As questões de saúde ambiental diagnosticadas mostram que a comunidade está vulnerável a uma série de problemas que se reproduzem de geração para geração, interferindo assim, na sustentabilidade da comunidade,  uma vez que os recursos naturais são finitos e a degradação dos mesmo irá interferir em todas as dimensões da sustentabilidade.

 

Texto completo:

PDF

Referências


ARRUDA. R. “Populações tradicionais” e a proteção dos recursos naturais em unidades de conservação. Ambiente & Sociedade - Ano II - No 5 - 2o Semestre de 1999.

BECK, U. Sociedade de Risco: Rumo a uma Nova Modernidade. Londres, Sage. 1992.

BEZERRA. A. C. V. et al. Condições Sanitárias no Município de Goiana–PE: construindo um diagnóstico com a participação das comunidades. RIO DE JANEIRO, Divulgação em Saúde para Debate, - N.50. Novembro 2013.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Instrução normativa nº 01 de 7 de março de 2005. Regulamenta a portaria nº 1.172/2004/GM, no que se refere às competências da União, estados, municípios e Distrito Federal na área de vigilância em saúde ambiental [Internet]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/svs/2005/ int0001_07_03_2005_rep.html.

CARDOSO C. S.; MELO. L. O.; FREITAS D. A. Condições de saúde nas comunidades quilombolas. Rev enferm UFPE on line., Recife, 12(4):1037-45, abr., 2018.

CARNEIRO. F. F. A questão ambiental e a saúde. Tempus, actas de saúde colet, Brasília, 8(1), 79-83, mar, 2014.

FERREIRA. E. P.; PANTALEÃO. F. S. Saneamento básico em comunidades quilombolas no Estado de Alagoas. GEOTemas, Pau dos Ferros, Rio Grande do Norte, Brasil, v.6, n.2, p.71-82, Jul./Dez. 2016.

FREITAS D. A.; CABALLERO A. D.; MARQUES A. S.; HERNÁNDE C. I. V.; ANTUNE S. L. Saúde e comunidades quilombolas: uma revisão da literatura. Rev. CEFAC, São Paulo. 2011.

GADOTTI. M. Educar para a sustentabilidade. Inclusão Social, Brasília, v. 3, n. 1, p. 75-78, out. 2007/mar. 2008.

JACOBI. P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cad. Pesqui. no.118 São Paulo Mar. 2003.

KORB. A. Saúde ambiental: concepções e interpretações sobre meio ambiente e sua relação com a saúde humana. Anppans. 2012.

LAYRARGUES, P.P. Educação no processo da gestão ambiental: criando vontades políticas, promovendo a mudança. Anais do I Simpósio Sul-Brasileiro de Educação Ambiental. Erechim: EdiFAPES, 2002. p. 127-144.

LEITE. D. S.; MARTINS. A. L.; FERREIRA. J. F.; BATISTA. K. N.; ROSÁRIO. M. J. Racismo, saúde e comunidades remanescentes de quilombos: reflexões da fisioterapia. Revista PET Interdisciplinar e Programa Conexões/UFPA On-line. Vol. 01 – 2016.

LOUREIRO. C. F.; CUNHA. C. C. Educação ambiental e gestão participativa de unidades de conservação: elementos para se pensar a sustentabilidade democrática. Ambiente & Sociedade. Campinas v. XI, n. 2, p. 237-253, jul.-dez. 2008.

MARTINS. A. P. F.; TERTO. R. S.; LIMA. J. R.; OLIVEIRA. E. Estudo de impactos ambientais na comunidade quilombola Serra Feia - Cacimbas, PB. ACSA, Patos-PB,v. 13, n.2, p. 121-129, Abril-Junho, 2017.

MARTINS. L. A.; TOSHIO. N. Preservação ambiental e qualidade de vida em comunidades quilombolas. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental REGET-CT/UFSM, v(1), n°1, p. 59-69, 2010.

MIKHAILOVA. I. Sustentabilidade: evolução dos conceitos teóricos e os problemas da mensuração prática. Revista Economia e Desenvolvimento, n° 16, 2004.

OLIVEIRA. V. C. A. O novo desenvolvimentismo no nordeste brasileiro e o impacto para o quilombo de São Lourenço em Goiana Pernambuco: o caso das marisqueiras que se tornaram operárias. São Paulo, 39º Encontro Anual da Anpocs, 2015.

SAN RURAL – SANEAMENTO E SAÚDE AMBIENTAL E RURAL. Saneamento e Saúde Ambiental em Comunidades Rurais e Tradicionais de Goiás. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS – UFG, 2018.

SANTOS. J. B. Território, Direito e Identidade: uma análise da comunidade quilombola da Olaria em Irará, Bahia. Antíteses, vol. 3, n. 5, pp. 221-245, jan.-jun. de 2010.

SILVA. S. R. Comunidades quilombolas e a política ambiental e territorial na mata atlântica. Geografia em questão, vol. 5, n. 1, pp. 47-65, 2012.

SILVESTRE. D. O.; MOREIRA. A. P. Uso, vivência e conservação do meio ambiente em populações tradicionais: o caso da comunidade quilombola de Caiana dos Crioulos, Alagoa Grande (PB). Cadernos do Logepa v. 6, n. 2, p. 180‐202, jul./dez. 2011.

SISSON. M. C. Estratégia de Saúde da Família em Florianópolis: integração, coordenação e posição na rede assistencial. Saúde e Sociedade, 2011.

TEXEIRA. J. C. Apostila utilizada no curso de engenharia sanitária e ambiental da Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, 2012.

TRIPP. D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Caravana

IFPE - Instituto Federal de Pernambuco