SOLOS, APRENDER E CONSERVAR: PROMOÇÃO DA EDUCAÇÃO EM SOLOS ATRAVÉS DE OFICINAS ITINERANTES EM ESCOLAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM ÁREAS URBANAS E RURAIS

Manuella Vieira Barbosa Neto, Ayrton Luiz Cunha de Barros Pessôa, Deyse Ferreira da Silva, Diogo Silva do Nascimento

Resumo


O solo além de ser um elemento vital na natureza, é também um dos meios naturais mais importantes para a sociedade, sendo um componente fundamental do ecossistema terrestre. Tendo em vista que ele é um recurso natural dinâmico e não renovável, e que vem sendo degradado em função do uso inadequado pelo homem, o que acarreta interferências negativas no equilíbrio ambiental, se faz necessário que haja uma conscientização de sua relevância e consequentemente a promoção de práticas conservacionistas. Em função disto, o projeto “Solos: Aprender e Conservar” tem como objetivo promover o ensino em solos através de oficinas em escolas da educação básica em áreas urbanas e rurais, a fim de despertar a compreensão acerca da necessidade de sua conservação. Por meio das vivências realizadas nas escolas parceiras com o projeto, observou- se um grande envolvimento dos estudantes contemplados com o projeto. Com isso, espera-se ter despertado na comunidade escolar o pensamento crítico sobre a importância ambiental e social dos solos.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO FILHO, J. C.; BARBOSA NETO, M. V.; SILVA, C. B.; ARAUJO, M. S. B.; MENEZES, J. B. Levantamento semidetalhado dos solos da bacia hidrográfica do rio Natuba, Pernambuco. Revista Brasileira de Geografia Física, V. 06, N.03, 384-397, 2013.

BARBOSA NETO, et al. Aplicação de oficinas sobre solos em escolas da educação básica da região metropolitana do Recife. Revista Ensino de Geografia (Recife), v. 1, n. 2, 2018.

BARROS, O. N. F. Pequena História Pedológica. Londrina: Revista Geografia, 1990. Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/article/view/9902/8713> Acesso em Novembro de 2018.

BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Ministério da Educação. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, 2006. Disponível em:< http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf> Acesso em Novembro de 2018.

BRADY, N. C.; WEIL, R. R. Elementos da natureza e propriedades dos solos. 3ª Ed. Bookman Companhia Editora Ltda: Porto Alegre, 2013.

CARVALHO, J. P. de. Textura do solo. Disponível em:< http://www.pedologiafacil.com.br/textura.php>Acesso em Novembro de 2018.

CAVALCANTI, L. de S. O ensino de geografia na escola. Campinas, SP: Papirus, 2012. p. 45 – 47.

COSTA, D. P. ; BASTOS, S. B. ; SOUZA, D. T. M. . Jogos como recurso didático no processo de ensino-aprendizagem de solos. In: XXXV Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, 2015, Natal-RN.

CUNHA, J. E.; ROCHA, A. S.; TIZ, G. J.; MARTINS, V. M. Práticas pedagógicas para o ensino sobre solos: aplicação à preservação ambiental. Terra e didática. 9 (2): 74-81, 2013.

EMBRAPA, Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Produção de Informática; Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006.

ESPÍNDOLA, C. R. História da Pedologia: um resgate bibliográfico. I Simpósio de Pesquisa em Ensino e História de Ciências da Terra III Simpósio Nacional sobre Ensino de Geologia no Brasil. São Paulo, 2007. p. 349-352.

FARIAS, G. F.; ANTUNES, H. S. Construção de recursos didáticos para o ensino de Geografia: as oficinas como alternativas para a aprendizagem escolar. B. Geográfico, Maringá, v. 30, n. 2, p. 59-71, 2012.

GUIMARÃES, T.L.B. Determinação da cor do solo pela carta de Munsell e por colorimetria. Brasília: Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, 2016, 57 Páginas. Monografia.

JACOBI, P. Educação ambiental cidadania e sustentabilidade. São Paulo: Cadernos de Pesquisa, 2003.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 14 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LEPSCH, I. F. Formação e Conservação dos Solos. São Paulo: Oficina de Textos, 2002.

LEPSCH, I. F. 19 Lições de Pedologia. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.

LIMA, V. C.; LIMA, M. R.; MELO, V. F. O solo no meio ambiente: abordagem para professores do ensino fundamental e médio e alunos do ensino médio. Curitiba: Universidade Federal do Paraná. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola, 2007. 130 p.

MUGGLER, C. C.; PINTO SOBRINHO, F. A; MACHADO, V. A. Educação em solos: princípios, teoria e métodos. Rev. Bras. Ci. Solo, Viçosa, MG, v. 30, n. 4, p. 733- 740, 2006.

MUNSELL SOIL COLOR COMPANY, Munsell soil color chats, Munsell color, Macbeth Division of Kollmorgen Corporation, Baltimore, Maryland, USA. 1950.

NILES, R. P. J.; SOCHA, K. A importância das atividades lúdicas na educação na educação infantil. v. 19, n. 1. Ágora: R. Divulg. Cient.,2014, p. 80-94.

SALEMI, L. F. Topossequência ou catena? Set. 2009. Disponível em:< https://www.webartigos.com/artigos/topossequencia-ou-catena/25165> Acesso em Dezembro de 2018.

SOLO NA ESCOLA. Fichas de textura do solo. Disponível em:< https://solonaescola.blogspot.com/2012/04/experimentos-7.html> Acesso em: Dezembro de 2018.

VEZZANI, F. M.; LIMA, M. R. Educação em Solos: um caminho para valorar os serviços ecossistêmicos? In: Boletim Informativo da Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. Mai- Ago, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Caravana

IFPE - Instituto Federal de Pernambuco