3, 2, 1 PLAY: USO DE JOGOS EM AMBIENTES EDUCACIONAIS

Daniel Lisboa de Menezes, Junio Candido dos Santos, Rayanne Oliveira de Medeiros Lima

Resumo


Este trabalho trata-se de uma revisão sistemática sobre o uso de jogos para aprendizagem de matemática, para tal, tem como pergunta de pesquisa: como o uso de jogos em ambientes educacionais favorece a aprendizagem de matemática? São utilizadas as bases de dados Periódicos, Directory of Open Accsses Journal – DOAJ, Open Accsses and Scholarly Information System: OASIS.BR, e Scientific Electronic Library Online (SciELO) para busca de artigos relacionados ao problema levantado, de acordo com parâmetros estabelecidos na metodologia deste trabalho. Como resultados são destacados relatos de professores, alunos e dos respectivos pesquisadores que apontam a efetividade do uso de jogos para aprendizagem de matemática.


Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, Hilário; VIANA, Marcelo. Ensino de ciências e matemática no Brasil: desafios para o século XXI. Parcerias Estratégicas: edição especial. Brasília, v. 16, n. 32, p. 221-226, jan./jul. 2011. Disponível em: http://seer.cgee.org.br/index.php/parcerias_estrategicas/article/viewFile/768/703. Acesso em: 19 nov. 2019.

ARAÚJO, Ronaldo Marcos de Lima; FRIGOTTO, Gaudêncio. Práticas pedagógicas e ensino integrado. Revista Educação em Questão. Natal, v. 52, n. 38, p. 61-80, maio/ago. 2015. Disponível em: http://www.revistaeduquestao.educ.ufrn.br/pdfs/v52n38.pdf. Acesso em: 19 nov. 2019.

BRASIL, Ministério da Educação. Brasil no PISA 2015: Sumário Executivo. Brasília - DF. 2015. Disponível em: Acessado em: 02/11/2019

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília - DF. 2000. Disponível em: Acessado em: 18/11/2019

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Brasília : MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília : MEC/SEF, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_02_internet.pdf. Acesso em: 20 nov. 2019.

BRITO, Gláucia da Silva. PURIFICAÇÃO, Ivonélia da. Educação e novas tecnologias: Um re-pensar. Curitiba - PR. Editora Intersaberes, 2012.

CARVALHO, Dione Lucchesi de. Metodologia do Ensino de Matemática. São Paulo: Cortez, 1990.

FILHO, Cléuzio Fonseca. História da Computação: O caminho do pensamento e da tecnologia. Porto Alegre: EdipucRS, 2007.

FLEURY, Afonso.NAKANO, Davi. CORDEIRO, José Henrique Dell Osso. Mapeamento da Indústria Brasileira e Global de Jogos Digitais. São Paulo - SP. BNDES. 2014.

FOSSA, John Andrew. Ensaios sobre a Educação Matemática. 2. ed. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2012.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. 4. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2000. Disponível em: http://jnsilva.ludicum.org/Huizinga_HomoLudens.pdf. Acesso em: 11/11/2019.

MATTAR. J. Games em educação: como os nativos digitais aprendem. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

RIBEIRO, Rafael João; et al. Teorias de Aprendizagem em Jogos Digitais Educacionais: um Panorama Brasileiro. Novas Tecnologias na Educação. v. 13 n. 1 jul. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.22456/1679-1916.57589. Acesso em: 11/11/2019.

UNESCO. Os desafios do ensino de matemática na educação básica. São Carlos: EdUFSCar: 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Caravana

IFPE - Instituto Federal de Pernambuco