HOJE, É DIA DE FEIRA: SOCIABILIDADES, PADRÕES DE CONSUMO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM UMA FEIRA-LIVRE DE BARREIROS.

Deborah Silva do Amaral, Ricardo Carneiro Bastos, Emerson Silvestre Lima da Silva, Núbia Michella Clementino da SILVA

Resumo


Este trabalho interdisciplinar teve o objetivo de caracterizar a feira livre central em Barreiros a partir da sociabilidade, linguagem, avaliação da qualidade dos alimentos e à educação ambiental. Unimos olhares da sociologia, da linguística, da segurança alimentar e educação ambiental como subsídios teóricos para a interpretação das diferentes dimensões encontradas. A pesquisa teve abordagem qualitativa, do tipo descritiva e participante. Para coleta de dados, fez uso:   observação participante; registro audiovisual; entrevistas-semiestruturadas e aplicação de questionários. Constatamos que ser feirante livre não está relacionado a um projeto pessoal, mas, por vezes, a fatores hereditários ou necessidade financeira. As relações de sociabilidades são fortes entre os mais antigos, resultando em confiança e vínculos afetivos de amizade e apoio. Os feirantes usam uma linguagem performática especifica para ocupar, vender e se comunicar dentro do espaço destinado pela prefeitura. A comercialização e manuseio dos alimentos, quanto à educação ambiental, são precários considerando os fatores higiênico-sanitários. A implantação de ações que proporcionem melhorias em relação a manipulação dos alimentos, bem como saúde, ao conforto nas condições de trabalho e a educação ambiental são necessários.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Gustavo de Souza. A Usina Central Barreiros e as implicações socioeconômicas no espaço urbano de Barreiros, Pernambuco. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, CFCH. Programa de Pós-graduação em Geografia, 2014.

BAGNO. Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

BRASIL, Presidência da República. Lei Nº 9.795, de 27 de abril de 1999, que instituiu a Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília: DOU, 1999.

BRASIL, Presidência da República. Lei Nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que instituiu a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Disponível em<: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm>. Acesso em: < 01 dez 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional da Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 216. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Brasília: ANVISA, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional da Vigilância Sanitária. Resolução RDC n° 275. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Brasília: ANVISA, 2002. 10p.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. Disponível em: . Acesso em: 01 dez 2017.

CASCINO, Fabio. Educação Ambiental: princípios, história, formação de professores. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2000.

COUTINHO, Solange Fernandes Soares. A Educação Ambiental na Formação de professores. Apud: SEABRA, Giovanni (org.). Educação Ambiental. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2009.

ECKERT, Cornélia; ROCHA, Ana Luiza Carvalho de. Etnografia de rua: estudos de antropologia urbana. Organizadores Ana Luiza Carvalho de Rocha e Cornelia Eckert -Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2013.

FARIAS, K. C.; MARTINS, F. F. F.; MARTINS, F. F; MOREIRA, I. C. M.; JALES, K. A.; ALENCAR, T. C. de S. B. D.; SILVA, M. M. G. Avaliação das condições higiênico-sanitárias de alimentos comercializados no mercado municipal e na feira livre do município de Hidrolândia-Ce.. In: V CONNEPI, 2010, Maceio. V CONNEPI de 17 A 19 DE 2010, em Maceió-AL, 2010.

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: A interpretativa das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

GOULART, Rita Maria Monteiro. Desperdício de alimentos: Um problema de saúde pública. Integração ano XIV, nº 54, 2006.

JUNKER, B., Situação do trabalho de campo: papeis sociais para observação. In: A importância do trabalho de campo: introdução às Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Lidador. 1991.

PEDRINI, Alexandre de Gusmão (org.). Educação Ambiental: Reflexões e Práticas. Petrópolis-RJ: Vozes, 1997.

PIGNATARI. Décio. Semiótica e literatura. São Paulo: Ateliê Editorial, 2004.

SILVA, J. de A.; MELO, E. de A.; LEMOS, S.M.. Condições higiênico-sanitárias dos alimentos comercializados na feira de produtos orgânicos do ceasa. Disponível em: < http://www.xxcbed.ufc.br/arqs/gt6/gt6_36.pdf>. Acesso em: 21 out 2016.

VEDANA, Viviane. Fazer a Feira: estudo etnográfico das “artes de feirantes e fregueses da feira livre da Empatur no contexto da paisagem urbano de Porto Alegre. Dissertação Mestrado Antropologia Social. Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS. 2004.

ZILDA ANA, X.; GREISKELLY, V.; LAYANA, R.; LORENA, V.; VANESSA, P. Condições higiênico-sanitárias das feiras livres do município de Governador Valadares. 2009. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Nutrição) - Universidade Vale do Rio Doce. Disponível em: < http://www.pergamum.univale.br/pergamum/tcc/Condicoeshigienicosanitariasdasfeiraslivresdomunicipiodegovernadorvaladares.pdf>. Acesso em: 10/12/2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Caravana

IFPE - Instituto Federal de Pernambuco